690 02/10/2020 às 07:30 - última atualização 02/10/2020 às 23:50

Nova política de Bolsonaro incentiva separação de alunos com deficiência

Redação Em Dia ES

O documento está sendo considerado um retrocesso nas políticas de inclusão no País e discriminatório. Entidades e parlamentares já se movimentam para tentar barrar a medida
Nova política de Bolsonaro incentiva separação de alunos com deficiência. Foto: Divulgação
Decreto presidencial assinado por Jair Bolsonaro nesta quinta-feira, 1º, incentiva que haja salas e escolas especiais para crianças com deficiências, transtornos globais do desenvolvimento, como o autismo, e superdotação. O documento está sendo considerado um retrocesso nas políticas de inclusão no País e discriminatório porque abriria brechas para que as escolas passassem a não aceitar alunos com essas características. Entidades e parlamentares já se movimentam para tentar barrar a medida.

"Muitos estudantes não estão sendo beneficiados em classes comuns", disse o ministro da Educação, Milton Ribeiro, no lançamento ontem da Política Nacional de Educação Especial, que teve presença do presidente e da primeira-dama Michelle Bolsonaro - fluente na Língua Brasileira de Sinais e que se apresenta como defensora dos direitos das pessoas com deficiência. O decreto prevê recursos para redes públicas que quiserem adotar a política e também para entidades, como Apaes, institutos para surdos e outras, que ofereçam educação especial.

Atualmente, cerca de 90% dos estudantes com deficiência ou transtornos do desenvolvimento estudam em escolas regulares no Brasil, um número que vem crescendo desde 2008 quando houve a política de inclusão. Desde então, instituições para atendimentos especiais perderam recursos do governo.

Especialistas dizem que há problemas ainda na inclusão, mas que o foco dos recursos do governo deveria ser o de formar melhor os profissionais e dar mais estrutura para esse atendimento nas escolas regulares, em vez de separar as crianças. Os alunos, no entanto, nunca deixaram de poder estarem matriculados também em serviços especiais.

O País também é signatário de convenções internacionais de direitos das pessoas com deficiência que defendem a inclusão como benefício tanto para elas como para criar uma sociedade mais justa e que saiba conviver com a diferença. "Em uma sociedade moderna, isso é inconcebível, é querer separar pessoas em caixinhas. Temos que trabalhar nas barreiras que impedem essa pessoa de ter acesso e participação no mundo e não em acentuar suas diferenças", diz a coordenadora do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Ensino e Diferença (Leped), da Unicamp, Maria Teresa Mantoan, sobre o decreto. Para ela, o governo está voltando o País aos anos 90 com políticas como essa. "Os pais dessas crianças não estariam matriculando em massa nas escolas comuns se não fosse bom para elas."

Segundo nota divulgada pelo laboratório, o decreto pretende que sejam "ofuscados ou esquecidos os ganhos obtidos pelos alunos que, em razão da inclusão escolar, puderam seguir trajetórias de vida jamais imaginadas no tempo em que eram vigentes no país a concepção que agora o governo federal busca desenterrar". O Leped e outras entidades da sociedade civil estão se organizando para entrar na Justiça contra a medida. Em seu twitter, a deputada deferal Maria do Rosário (PT-RS) também informou que ingressou com um projeto para tentar barrar o decreto do Executivo.

"Quando a gente pensa que está caminhando vem esse retrocesso enorme", afirma a coordenadora de advocacy do Instituto Rodrigo Mendes, Luiza Correa. A entidade sem fins lucrativos defende a educação inclusiva para pessoas com deficiência. Para ela, o governo "perverte" o conceito de inclusão ao dizer que ela acontece em salas segregada com recursos especiais. "É uma incoêrencia falar (no decreto) que vai preparar melhor o estudante para a vida e, ao mesmo tempo, estimular a discriminação. Como ele vai aprender a viver em sociedade depois de adulto?" questiona.

Para ela, o governo deveria estar enviando dinheiro para as escolas para ter piso tátil, rampas e formação de professores com didática para lidar com crianças com defiências. "O decreto abre margem para que a escola encaminhe alunos para as instituições em vez de atendê-lo".

"Numa sociedade em que as pessoas são diferentes, é preciso que essas diferenças estejam em convívio e possam alimentar umas às outras", diz o jornalista Cassiano Elek, pai de Ulisses, de 3 anos, que tem Síndrome de Down. Para ele, o decreto é uma atrocidade. "É inimaginável pensar que eu, como pai, não deva lutar para que meu filho possa conviver com os perfis mais variados, é um estímulo vital para ele. Ao conviver com pessoas que tenham mais facilidade para executar tarefas x ou y, ele é estimulado, tem possibilidade de se espelhar em outras crianças".

Procurada, a assessoria de Imprensa do Ministério da Educação (MEC) respondeu que o decreto "amplia a área da educação especial" e "oferece aos sistemas educacionais possibilidades de criar alternativas educacionais além das escolas comuns inclusivas, como: escolas e classes especializadas, escolas e classes bilíngues de surdos". Segundo o governo, um dos princípios é "o direito do estudante e da família na escolha da alternativa mais adequada". A Federação das Apaes informou que ainda está analisando o decreto presidencial e, por isso, ainda não irá se pronunciar.

Estadão Conteúdo
 
 
 

Fique em dia

  1. 1

    1 - Governo do Espírito Santo divulga 27º Mapa de Risco Covid-19 Governo do Espírito Santo divulga 27º Mapa de Risco Covid-19
  2. 2

    2 - LGBTfobia: AGU tenta mudar entendimento do STF sobre crimes de homofobia e transfobia LGBTfobia: AGU tenta mudar entendimento do STF sobre crimes de homofobia e transfobia
  3. 3

    3 - Governo do Espírito Santo divulga 26º Mapa de Risco Covid-19 Governo do Espírito Santo divulga 26º Mapa de Risco Covid-19
  4. 4

    4 - Medo de errar pode atrapalhar a carreira e bloquear criatividade no trabalho, alerta ... Medo de errar pode atrapalhar a carreira e bloquear criatividade no trabalho, alerta ...
  5. 5

    5 - Dia Mundial dos Animais: a importância de preservar e protegê-los Dia Mundial dos Animais: a importância de preservar e protegê-los
  6. 6

    6 - Nova política de Bolsonaro incentiva separação de alunos com deficiência Nova política de Bolsonaro incentiva separação de alunos com deficiência
 
 
 
 

Filme em Cartaz

 

BOLETIM

Receba nossas notícias por e-mail.

)
Logomarca