225 13/01/2021 às 19:26 - última atualização 13/01/2021 às 19:29

Casagrande diz que projeto que dá autonomia às polícias "retira poder da sociedade"

Redação Em Dia ES

A proposta é defendida por aliados do governo federal no momento em que o presidente endurece o discurso da segurança pública para alavancar sua popularidade, na segunda metade do mandato
Casagrande diz que projeto que dá autonomia às polícias "retira poder da sociedade". Foto: Vitor Jubini
"Quando [o governador] perde alguma prerrogativa, retira-se também o poder de decisão da sociedade", afirmou, relembrando que o governador é eleito pelo povo para exercer suas funções.

A declaração de Casagrande foi encaminhada por meio de nota, via assessoria de imprensa. O tom do Governador não foi tão duro quanto o de outros governadores que já se manifestaram publicamente sobre o assunto, como é o caso de João Doria (PSDB), em São Paulo.

Doria afirmou ser "radicalmente contra" ao projeto e que a ideia é de quem "gosta de cheiro de pólvora", fazendo referência ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A proposta é defendida por aliados do governo federal no momento em que o presidente endurece o discurso da segurança pública para alavancar sua popularidade, na segunda metade do mandato.

No Espírito Santo, a relação entre o governo e os militares, nos últimos anos, foi marcada por pressão por parte da categoria. Em 2017, a greve da PM, que paralisou as atividades por 21 dias, deixou reflexos na segurança pública e colocou em discussão a capacidade de controle do Estado sobre as forças policiais.

Na época, a greve chegou ao fim sem que o governo Paulo Hartung concedesse reajuste salarial para os policiais, que era uma das reivindicações da categoria. A paralisação ilegal resultou em centenas de assassinatos, assaltos e arrombamentos.

Logo após assumir o governo, em 2019, Casagrande concedeu anistia a todos os militares envolvidos na greve, algo que já havia prometido na campanha eleitoral. Além disso, concedeu o reajuste no mesmo ano, depois de longas negociações.

Recentemente, anunciou concurso na área de segurança e teve a valorização dos militares cobrada, na tribuna da Assembleia Legislativa, pelo deputado estadual Capitão Assumção (Patriota), durante prestação de contas do governo.

Assumção chegou a ser preso durante a greve da PM e foi apontado como um dos responsáveis por liderar o movimento. Ele é um dos principais opositores de Casagrande no Legislativo e faz críticas frequentes ao governador.

Diante de tal situação, a redução dos poderes do Executivo sobre a Polícia Militar, por exemplo, que é um dos pontos do projeto de lei, pode proporcionar um enfraquecimento do controle do Estado e abrir ainda mais espaço para uma agenda corporativista.

O projeto de lei que diminui os poderes de governadores sobre o comando das Polícias Militares foi revelado pelo jornal "O Estado de São Paulo". É uma das duas propostas de mudança na Lei Orgânicas das Polícias – Militar e Civil – que tramita no Congresso Nacional e pode ser votada neste ano.

O Palácio do Planalto vem sendo consultado sobre o projeto e chegou a dar sugestões para os projetos de lei orgânica desde a gestão do ex-ministro da Justiça Sergio Moro.

Os projetos sugerem mudanças nas estruturas das corporações, como a criação da patente de general para a Polícia Militar – hoje exclusiva das Forças Armadas – e de conselhos policiais nacionais ligados à União, no caso da Polícia Civil. Além disso, também propõe mandato de dois anos para comandantes e delegados gerais, permitindo também condições para exoneração antes do prazo.

Entre as mudanças, estão a criação de uma lista tríplice para a escolha de comandantes-gerais da PM e a obrigação de o governador justificar a exoneração de um chefe da polícia. Hoje, os governadores podem destituir os comandantes sem justificativas. Isso foi feito, inclusive, durante a greve da PM no Espírito Santo.

Essas alterações são vistas pelas polícias como formas de defesa das corporações contra perseguição política. Cientistas políticos, no entanto, acreditam que o excesso de autonomia administrativa e funcional da PM, principalmente, pode fazer com que os governadores fiquem nas mãos dos comandantes.
 
 
 

Fique em dia

  1. 1

    1 - Governo do Estado inaugura novo acesso à região de Santo Antônio pela Segunda Ponte Governo do Estado inaugura novo acesso à região de Santo Antônio pela Segunda Ponte
  2. 2

    2 - "Terrível, mas fizemos nossa parte", diz Bolsonaro sobre situação de Manaus "Terrível, mas fizemos nossa parte", diz Bolsonaro sobre situação de Manaus
  3. 3

    3 - Governo não autoriza empresas a comprarem vacinas da Covid-19 para funcionários Governo não autoriza empresas a comprarem vacinas da Covid-19 para funcionários
  4. 4

    4 - Dom Joaquim Wladimir deixa a diocese de Colatina e assume a diocese de Lorena, em São ... Dom Joaquim Wladimir deixa a diocese de Colatina e assume a diocese de Lorena, em São ...
  5. 5

    5 - Estado recebe doação de face Shields para profissionais da linha de frente no combate a ... Estado recebe doação de face Shields para profissionais da linha de frente no combate a ...
  6. 6

    6 - Em novo decreto, papa autoriza mais funções para mulheres na Igreja Em novo decreto, papa autoriza mais funções para mulheres na Igreja
 
 
 
 

Filme em Cartaz

 

BOLETIM

Receba nossas notícias por e-mail.

)
Logomarca