500 15/03/2021 às 07:30

Governo anuncia suspensão de aulas presenciais da Educação Infantil a partir desta segunda-feira (15)

Redação Em Dia ES

A suspensão de 21 dias das aulas foi adotada devido a taxa de ocupação dos leitos pediátricos ser superior a 90% há duas semanas, de tal forma que tal medida se faz necessária neste cenário da pandemia de Covid-19
Governo anuncia suspensão de aulas presenciais da Educação Infantil a partir desta segunda-feira (15). Foto: Reprodução / Governo ES
O Governo do Estado anunciou, na tarde deste domingo (14), a suspensão por 21 dias das aulas presenciais da Educação Infantil (de 0 a 5 anos) da rede pública e privada no Estado do Espírito Santo, independente da classificação de risco. A medida foi publicada por meio da Portaria Sesa/Sedu 001/2021, em edição extra do Diário Oficial do ES neste domingo.
 
A suspensão das aulas foi adotada em decorrência da taxa de ocupação dos leitos pediátricos ser superior a 90% há duas semanas, de tal forma que tal medida se faz necessária neste cenário da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19). 
 
Durante a coletiva de imprensa, transmitida ao vivo pelas redes sociais, os secretários de Estado da Educação, Vitor de Angelo, e da Saúde, Nesio Fernandes, passaram mais detalhes sobre as medidas que visam evitar a expansão da doença.
 
As escolas que ofertam a Educação Infantil terão até a próxima quarta-feira (17) para se organizarem, visando o cumprimento dos 21 dias de suspensão das aulas presenciais, sem prejuízo ao cumprimento do prazo de suspensão definido neste ato. A medida se aplica a todo o território estadual, independente da classificação de risco aplicada ao município neste período. 
 
A suspensão das aulas na Educação Infantil foi uma decisão tomada em conjunto entre as Secretarias da Saúde (Sesa) e da Educação (Sedu), Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), Sindicato das Escolas Particulares do Estado do Espírito Santo (Sinepe) e União de Dirigentes Municipais do Espírito Santo (Undime).
 
De acordo com o secretário Vitor de Angelo a pandemia da Covid 19 passa por uma fase específica, além disso, há o início da fase sazonal de outras doenças respiratórias. “Não se trata, portanto, de que a escola é vetora ou não da Covid-19. Trata-se de uma decisão tomada por dados técnicos que mostram a necessidade dessa restrição, tendo em vista a ocupação dos leitos pediátricos. Portanto, tendo em vista as doenças variáveis somadas a essa informação da ocupação dos leitos pediátricos, que é a mais relevante, se mostra prudente neste momento tomar essa medida”, disse.
 
O secretário Nésio Fernandes completou: “Previmos, ainda em dezembro passado, o aumento, a partir de março em diante, das doenças respiratórias. Elas estão competindo com outras doenças, pressionando a rede hospitalar. Tomamos hoje uma atitude responsável e prudente para que possamos manter a rede de atenção infantil em pleno funcionamento", explicou.
 
De acordo com a portaria, a suspensão das aulas é uma medida adotada tendo em vista que, desde a semana epidemiológica 8, observa-se uma fase de aceleração da curva de doenças respiratórias pediátricas onde competem infecções pelos vírus sincicial respiratório (VSR), influenza (FLU), SARS-COV-2 e outras doenças infecciosas pediátricas, com a ocorrência de diversos surtos de VSR, atingindo 121 casos confirmados nas primeiras duas semanas de março.
 
A portaria também destaca que a infecção pelo VSR exibe sintomatologia semelhante a da COVID-19, podendo ser facilmente confundida com o novo coronavírus e que casos de coinfecção VSR/COVID já foram documentados pelo Laboratório Central do Estado, restando o impacto dessa coinfecção ser ainda avaliado.
 
Além disso, o documento narra que a infecção por VSR debilita o sistema imune dos pacientes acometidos pela infecção, em especial os pacientes pediátricos, permitindo que infecções por outros vírus respiratórios e até mesmo por bactérias encontrem ambiente propício para se instalarem;  que o diagnóstico diferencial para definir infecção por VSR, implica na realização de exames adicionais para descartar outros agentes infecciosos, inclusive para COVID-19; que o manejo dos pacientes suspeitos exige grande quantidade de leitos de isolamento, e posterior à confirmação diagnóstica, a realização de coortes específicas por pacientes com infecção pelo mesmo agente etiológico; que o bloqueio de leitos para cada doença infecciosa prejudica a capacidade de atender pacientes atingidos por outras condições de saúde; e que o comportamento de casos respiratórios impacta a capacidade de diagnóstico e de atendimento da rede pública e privada.

Escolas querem mudança das regras para não terem que fechar
O Sindicato das Empresas Particulares de Ensino no Espírito Santo (SINEPE) disse que está de acordo com a suspensão das aulas do ensino infantil durante os 21 dias, mas que aguardam mais diálogo.

"Nós queremos que as escolas sejam consideradas atividades essenciais e não dependam mais do mapa de risco para sofrerem mudanças nas atividades toda a semana.", ponderou o diretor do Sindicato professor Moacir Lellis.

Outro pedido do Sindicato é que caso a situação dos leitos infantis melhore, que as aulas possam voltar antes do prazo de 21 dias.

O Sindicato disse que entende a situação grave de ocupação de leitos infantis, mas afirma que mais reuniões serão feitas ao longo da semana para que outros pontos sejam discutidos.

O Governador Renato Casagrande já tinha anunciado uma medida que afetava as escolas na última sexta-feira (12) quando divulgou o novo mapa de risco. Nele, 17 cidades estão em risco alto e nessas cidades, as aulas presenciais foram totalmente suspensas. 
 
 
 

Fique em dia

  1. 1

    1 - Médica ensina pais a distinguir se a escola está protegendo as crianças da Covid-19 Médica ensina pais a distinguir se a escola está protegendo as crianças da Covid-19
  2. 2

    2 - Ano letivo da Faceli começa na próxima segunda-feira (8) Ano letivo da Faceli começa na próxima segunda-feira (8)
  3. 3

    3 - Coluna | Dicas para o primeiro dia de Enem Coluna | Dicas para o primeiro dia de Enem
  4. 4

    4 - Seleção do Nossa Bolsa 2021 vai usar notas do Enem de 2015 a 2019 Seleção do Nossa Bolsa 2021 vai usar notas do Enem de 2015 a 2019
  5. 5

    5 - Em cidades onde autoridades locais decidirem adiar o Enem 2020, prova terá reaplicação em ... Em cidades onde autoridades locais decidirem adiar o Enem 2020, prova terá reaplicação em ...
  6. 6

    6 - Mais 31 escolas da Rede Estadual ofertam ensino de tempo integral em 2021 Mais 31 escolas da Rede Estadual ofertam ensino de tempo integral em 2021
 
 
 
 

Filme em Cartaz

 

BOLETIM

Receba nossas notícias por e-mail.

)
Logomarca