Rachel Poubel

Por Rachel Poubel

Bacharel em Direito, Administradora, Terapeuta para Mulheres, Hipnoterapeuta e Organizadora do Movimento Mulher de Identidade. INSTAGRAM: @rachel_poubel

Por Rachel Poubel

Bacharel em Direito, Administradora, Terapeuta para Mulheres, Hipnoterapeuta e Organizadora do Movimento Mulher de Identidade. INSTAGRAM: @rachel_poubel

O que fazer para começar 2021 sem os problemas de 2020

Para finalizar esse ano de 2020, quero trazer uma reflexão para você. O que você pode fazer de diferente na sua vida para que 2021 seja realmente um ano novo?

Muitas pessoas, quando terminam o ano, começam a refletir ou a fazerem simplesmente rituais que não necessitam de tanta reflexão. Elas mudam a cor da roupa, pulam umas ondas ou simplesmente acreditam que o ano que vem vai ser diferente. Mas o que você faz efetivamente para que a transformação realmente aconteça na vida?

Eu, como terapeuta, venho lhe convidar para uma reflexão profunda e que realmente vá trazer mudanças na sua vida: tire um momento para você, para pensar e refletir sobre a sua vida.

O que em 2020 não deu certo e lhe incomodou? Quais os nãos que você precisava dar e que não deu? Quais os sins que você deveria dar e que também não fez? Qual a hora que realmente olhou para você mesma? Quantas vezes efetivamente cuidou de você mesma? Conseguiu se fortalecer ou não?

Eu lhe convido a construir um 2021 diferente, edificante e positivo. Convido você a traçar metas e a, principalmente, cuidar das suas emoções, cuidar de você. São suas emoções que vão lhe levar para o próximo estágio, para a mudança efetiva. Então, em 2021, cabe a você buscar a transformação da sua vida. Não terceirize isso!

Seja uma mãe melhor, uma esposa melhor, uma pessoa melhor para sociedade, uma irmã mais parceria, a amiga que desejava ter, a maior cuidadora de você mesma. É esse o meu convite hoje.
E faça a principal reflexão: o que está lhe incomodando que desejaria mudar em 2021? Qual o plano ou o sonho que você tem deixado para trás e que poderia retomar em 2021? Busque ajuda, se precisar, para refletir sobre essas questões e tomar decisões.

Eu, como terapeuta, venho ajudando várias mulheres e quero ajudar você também, porque é para isso que eu trabalho, atualizo-me sempre com as principais ciências, dedico-me diariamente e vivo a minha missão. Portanto, conte comigo.

Cuide de suas emoções, das suas dores e não jogue fora seus sonhos. Transforme sua vida, porque ela vale muito para ser despediçada ou adiada. Pegue de volta o controle da sua carreira, dos seus sentimentos e do que sempre quis fazer e se perdeu. Não deixe para o outro decidir o que você vai fazer, sonhar, querer, como vai se comportar ou o que você vai falar.

Assumir a responsabilidade pela sua vida é necessário para 2021. Você é grande, é capaz de superar todos os obstáculos que aparecerem. A vida é sua, mas não esqueça que a vida também é curta. E é nas suas mãos que ela precisa ser transformada.

Que venha um próximo ano com a prosperidade do seu eu. Encha-se de você mesma. Encha-se de si e da sua identidade, do seu eu, da sua vontade. Seja uma mulher de identidade.

Cuide das suas emoções como tesouros que não podem ficar nas mãos de um ou de outro. São seus tesouros. Portanto, em 2021, faça terapia para não se perder ainda mais. Trate do seu eu e transforme sua vida, pois está na hora de retomar. Você vai ver como cada dia terá um significado diferente, será especialmente diferente para você.

Verá que nesse novo ano tudo pode ser diferente na sua vida, pode ter resultados que nunca teve, a partir no momento em que começar a cuidar do seu eu. Se você cuidar da sua identidade, seus dias já começarão bem diferentes, melhores como nunca foram, bem mais prósperos e cheio de amor próprio.

Eu sou Rachel Poubel, terapeuta para mulheres, e estou aqui para segurar na sua mão em 2021 e ajudar você nesse processo de transformação. Feliz 2021!

RACHEL POUBEL
Terapeuta para Mulheres, organizadora do Coletivo Mulheres de Identidade.

A mulher tem a obrigação de ser mãe?

Toda mulher é obrigada a querer ser mãe? Estou fazendo essa pergunta porque ouço de algumas mulheres o real desejo de não quererem ser mãe. Então, ponho a questão: se a mulher não quer ser mãe, pelos motivos pessoais dela, por qual razão a forçamos socialmente a essa condição?

Pessoalmente, conheço pessoas que dizem assim: “quero me casar, porém não quero ser mãe, nunca”. E, quando ressoam frases assim, vejo os olhares das pessoas ao redor, que logo em seguida soltam um energico “como assim você não quer ser mãe? Toda mulher quer ser mãe! Como você não quer?”

Não, não é verdade que toda mulher quer ser mãe. Existem mulheres que simplesmente não tem vontade essa vontade, seja pela condição de trabalho que escolheu, seja pelo esforço necessário para cuidar de uma criança, seja porque não se imagina cuidando de alguém, seja porque prefere a vida atual e focada, seja por qualquer outro motivo que não nos cabe de forma alguma julgar. O fato é que não tem qualquer desejo de ser mãe. E tudo bem, porque esse desejo é muito particular e certamente não é a vontade de todo mundo.

Se você é uma mulher que não tem vontade de ter filhos, não se culpe pela opinião dos outros. Uma mulher de identidade sabe o que a faz feliz. E nunca esqueça: você nasceu para ser feliz, não para agradar os outros. 
O corpo é seu, assim como os desejos e escolhas também. Portanto, não se abale de alguém se aproximar com falsas condenações por não querer ser mãe. Independente de qualquer opção que faça, você merece ser feliz, sendo mãe ou não.

Você não deixará de ser importante só porque não quer ser mãe, não deseja ter filhos. Nunca esqueça que isso deve ser uma opção de escolha, não uma obrigação. A responsabilidade de cuidar de um filho é muito grande, de bastante importância, por pode vir apenas por uma pressão social. Essa seria a forma mais aprisionante de escolher algo tão importante e delicado para uma mulher.

Seja uma mulher de identidade e assuma seu posicionamento sobre esse assunto. Seja qual for sua opinião ou sua decisão, lembre-se de que a escolha é sua e a vida também. Ninguém pode interferir nesse momento tão pessoal e íntimo.

RACHEL POUBEL
Terapeuta para Mulheres, organizadora do Coletivo Mulheres de Identidade



Quando falar sobre sexo com o parceiro é dificílimo

O assunto hoje é algo importantíssimo pra você: o sexo e a falta de diálogo sobre sexo. Dificilmente, um casal senta e conversa sobre o assunto. Infelizmente, não é comum o casal analisar como está a relação dos dois e o que um pode melhorar nesse quesito. Dessa forma, muitas mulheres sentem medo de falar com o seu companheiro sobre isso - o que pode ser inclusive um reflexo de outros problemas.

De tanto serem desestimuladas, vejo até que as mulheres perderam a vontade de falar sobre sexo. Muitas também desenvolveram medo de expor a própria opinião, como se fosse algo proibido. Se a mulher tem medo de expor sua opinião sobre outros assuntos, imagine sobre sexo...

Esse problema de ter medo, que infelizmente virou algo muito comum entre as mulheres, começa a tomar proporções inimagináveis. Já ouvi frases do tipo: “se eu falar para o meu marido que não estou sentindo prazer durante a relação sexual, ele pode pensar que eu estou traindo ou que tenho interesse em outra pessoa”. Outra vez, ouvi também: “ele vai achar que ele não está sendo tão bom e eu posso gerar um problema maior ainda”. E, assim, com tais justificativas, essas mulheres se calam para sempre.

Mulher, você precisa ter consciência do que lhe dá prazer. Seu marido é a pessoa que divide sua vida com você, sua maior intimidade. Se não tem abertura para conversar com ele sobre o que lhe dá prazer, sobre os momentos que partilha com ele, que relação é essa? Você acha que está bom assim?

É necessário entender que essa pessoa convive com você, é com quem divide o teto. Você se entrega para ele. Então, com essa pessoa não pode ter restrições de fala, de conversa. Você não pode se resguardar de falar o que pode salvar seu casamento. Ou vai viver para sempre sem ter prazer porque não quer ofender seu parceiro? É você quem já está se ofendendo, se machucando.

Quando não fala, não expõe o que está lhe fazendo mal – talvez até pensando que está fazendo bem para o outro, mas, na verdade, está fazendo um mal para si mesma e também para o outro. Está destruindo a sua identidade e seu relacionamento. Quem não se ama e não pensa no prazer próprio dificilmente vai amar e dar prazer ao companheiro. Pense nisso e tome a atitude de falar para resolver.

RACHEL POUBEL
Terapeuta para Mulheres, organizadora do Coletivo Mulheres de Identidade.

O sexo esfriou. E agora?

Lembra-se do começo do seu namoro? Aquele momento em que toda hora era hora de se pegar, de se beijar, lembra? Era tudo tão gostoso, tão ousado, tudo tão maravilhoso... Agora que vocês estão juntos há anos, diga-me: por que o sexo esfriou?

Infelizmente, este cenário de esfriar a intimidade é uma coisa que acontece com a maioria dos casais. É difícil ouvir um casal dizer que depois de anos o casamento continua a mesma coisa, com o mesmo fogo, o mesmo ânimo. Isso também acontece com você, de esfriar e não saber o que fazer? Se sim, é hora de tomar uma atitude.

O sexo não é a única coisa do casamento, mas óbvio que ele é muito importante. É um momento de parceria, de cumplicidade do casal, em que você troca carícias e prazer. O nosso corpo gosta de sentir prazer, é isso que faz bem. Deixa a pessoa mais energizada, alegre e tranquila, porque sentir prazer é bom.

Se, no seu casamento, o sexo esfriou, você precisa encontrar uma saída uma atitude imediatamente, e não empurrar com a barriga. Comece a pesquisar sobre o assunto, é o primeiro passo. Se for preciso, procure um profissional para lhe orientar. Comece também a trabalhar sua mente nessa direção. Você, mulher, pode exercitar seus pensamentos, buscar algo que lhe dá prazer, ousar mais consigo mesma.

Comece a lembrar dos melhores momentos. Pense como era no começo, mapeie como você fazia, resgate isso. Eu tenho certeza que você vai lembrar de atitudes que davam muito prazer, ações altamente prazerosas, mas que se perderam no tempo. E, então, convide seu parceiro para fazer coisas diferentes, relembrar os momentos, viver o que vai realmente acender de novo a relação de vocês. 
Hoje vocês têm muito mais intimidade, explore o prazer. Acrescente sua experiência, seja ousada, surpreenda seu homem.

Seja uma mulher de identidade, assuma postura de quem sabe o que quer e que busca resolver situações. Procure seu parceiro, resolva isso junto com ele. Vá ser feliz e ter prazer no seu casamento, porque você merece e faz bem.

RACHEL POUBEL
Terapeuta para Mulheres, organizadora do Coletivo Mulheres de Identidade.

Fique em dia

Logomarca